(Foto: Divulgação)
Economia

Afinal, o Centro de Convenções está ou não concluído? Reportagem explica

A resposta é não. Ou ‘não é bem assim’, se a pergunta for feita à Agência Goiana de Transporte e Obras (Agetop).

Os detalhes de como está a situação da maior obra pública construída na história recente de Anápolis podem ser conferidos em uma enxuta, mas muito boa reportagem de O Popular, assinada pela jornalista Katherine Alexandria.

Empreendimento prometido desde 1998, o Centro de Convenções de Anápolis, inaugurado há três meses pelo ex-governador Marconi Perillo, ainda passa por ‘trabalhos de acabamentos’ e teve dificuldades para receber os poucos eventos que abrigou nesse espaço de tempo.

O primeiro deles foi o do Rotary, que não precisou pagar pela locação, mas perigou ficar no escuro, já que o local precisou de gerador de energia elétrica e caminhão pipa nos dias do evento.

Já a última turma de medicina formada pela UniEvangélica, sim, conseguiu alugar o teatro e pagou R$ 15 mil, comprovando o potencial de geração de receitas que o Centro de Convenções anapolino tem, mesmo sem uma curadoria definida. Aparentemente, o evento universitário não teve de contornar nenhum problema físico no local.

Informalmente, sabe-se que gastos mensais para a manutenção de todo o Centro de Convenções ultrapassam os R$ 300 mil.

Na próxima sexta-feira (30), um grande público é esperado para o primeiro evento privado no mega teatro do Centro de Convenções, com a peça do ‘Eita, casei!’, do youtuber Whindersson Nunes.

O valor arrecadado por essa locação ainda não foi divulgado.

Quer comentar?

Comentários